A agilidade do jornalismo online.
Visão Notícias - Informações de Marília e região
Visão Notícias - Informações de Marília e região

Informações de Marília e região

- Marília/SP

Postado em 26/06/2020 às 12:17

Cidade da região consegue na justiça o funcionamento do comércio

Em decisão nesta sexta-feira (26), o juiz Carlos Gustavo Urquiza Scarazzato, da 2ª Vara da Comarca de Adamantina (a 140 km de Marília), tornou válido o decreto municipal que possibilita o funcionamento de algumas atividades não essenciais no Município. Na prática, a medida permite a abertura das lojas, das 12h às 18h.

Embora faça parte da Nova Alta Paulista, Adamantina faz parte do Departamento Regional de Saúde (DRS) de Marília e, pela classificação atual, a região está classificada na fase vermelha do plano SP e só poderiam funcionar os serviços essenciais.

A nova classificação por regiões será anunciada daqui a pouco, às 12h45, pelo governador João Doria. A expectativa do prefeito de Marília, Daniel Alonso, é de que a regional consiga "subir" pelo menos para a fase laranja, o que permitirá uma flexibilização maior das atividades econômicas.

Impasse

Revoltado com o rebaixamento de Adamantina pelo Governo do Estado para fase mais restritiva do Plano São Paulo, o prefeito Márcio Cardim (foto) utilizou as redes sociais, no inicio da semana, para criticar a decisão imposta pela equipe do governador João Doria (PSDB).

Os anúncios do gestor municipal aconteceram depois da Justiça acatar pedido do Ministério Público local, determinando a adesão pela municipalidade da fase vermelha decretada pelo Estado na sexta-feira (19).

Conforme o prefeito, a reclassificação pegou o Município de surpresa, pois, para Cardim, Adamantina deveria estar na fase 4 (de cinco etapas) no plano de retomada da economia.

Flexibilização local Mesmo com anúncio estadual, a Prefeitura não editou novo decreto baseado na fala do governador, que deu autonomia às cidades.

Durante coletiva realizada na última sexta, João Doria disse que os prefeitos teriam autonomia de gerir os seus municípios desde que comprovem uma situação de equilíbrio da área da saúde. Entendemos que essa situação é injusta”, assegura Cardim. Com informações OCNet

 

© Copyright 2017. É proibida a reprodução do conteúdo dessa página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso sem autorização escrita do visaonoticias.com
Desenvolvido por StrikeOn