A agilidade do jornalismo online.
Visão Notícias - Informações de Marília e região
Visão Notícias - Informações de Marília e região

Informações de Marília e região

- Marília/SP

Postado em 08/03/2019 às 19:00

No dia da mulher, elas afirmam que podem tudo! Inclusive sustentar ou depender de um homem

Críticas e preconceitos são comuns para as mulheres que resolveram adotar novos relacionamentos em suas vidas.

“Ninguém pode interferir nas minhas escolhas! Tenho a liberdade de estar onde e com quem quiser e não espero aceitação da sociedade. Por que deveria dar satisfações? Só quero ser feliz”, afirma Vânia ao ser questionada sobre o seu relacionamento com um homem 26 anos mais jovem. Divorciada e com 55 anos, ela diz que deixou de se incomodar com o julgamento dos outros.

“Percebi que a vida é agora, não amanhã. Ninguém vive por nós. Abandonei o comodismo e resolvi buscar novas emoções. Se encontrei o que procurava em um jovem, qual é o problema? Os homens não fazem isso o tempo todo? Por que eu não poderia?. Vânia diz não sentir desconforto por ser a “provedora” da relação, já que o ex-marido fez este papel durante mais de 20 anos e todos achavam normal.

Na outra ponta, encontramos Danielle, 25 anos, estudante de nutrição. Neste caso, a escolha foi ter alguém que, com uma boa condição financeira, proporcionasse estabilidade e conforto.

“Sempre dividia as contas e as dificuldades com os namorados e isso me incomodava. Podia até estar apaixonada, mas não bastava, eu não tinha a segurança material que desejava. Abri mão das paixões passageiras e estou com um homem maduro, rico, que satisfaz todas as minhas vontades. Estou feliz porque foi uma opção minha, muito bem pensada”, conta Danielle. 

Tomar as próprias decisões, muitas vezes contrárias àquilo que a sociedade espera, ainda tem um custo alto para as mulheres. Onde está a igualdade que prevê que homens e mulheres devem ter os mesmos direitos e deveres? Parece existir um longo caminho para a desconstrução de visões preconceituosas e estereotipadas. 

“Quando sou vista com Roger, 19 anos mais novo do que eu, algumas pessoas perguntam se é meu filho. Será que fariam a mesma pergunta se fosse o caso de um homem com uma menina mais jovem?”, comenta Laura. “Pouco importa quanto tempo vai durar, só dou valor para a felicidade. Um dia a relação termina, mas, enquanto isso não acontece, vou tratando de criar boas lembranças”, finaliza.

Muitas jovens parecem estar vivendo um conflito. Querem a independência, a igualdade, têm consciência da importância de investir dos estudos, de consolidar uma carreira, mas faltam recursos. Entretanto, buscar alguém que proporcione tranquilidade e uma vida mais confortável é um processo de escolha, é o exercício da liberdade.

O poder da decisão está nas mãos dela, não é uma imposição da sociedade a respeito de como ela deve viver! Saber o que quer, saber o que e como fazer para conquistar é libertador.

© Copyright 2017. É proibida a reprodução do conteúdo dessa página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso sem autorização escrita do visaonoticias.com
Desenvolvido por StrikeOn