Visão Notícias
Postado em 18/09/2020 às 07:45
Justiça Federal de Marília condena cooperativa acusada de prática abusiva na venda de consórcios

A Justiça Federal em Marília acatou pedido feito pelo Ministério Público Federal (MPF) em ação civil pública e condenou a Cooperativa Mista Jockey Club de São Paulo a ressarcir danos causados a diversos consumidores da região por meio da comercialização de cotas de consórcio. A cooperativa também está proibida de vender cotas pelos próximos cinco anos.

Segundo a ação do MPF, a ré realizava práticas abusivas, o que gerou muitas reclamações no Procon por consumidores que se sentiram lesados. Foram relatadas promessas de contemplações antecipadas, que não foram realizadas, além de informações incorretas sobre a quantidade de cotas comercializadas: os consumidores acreditavam adquirir apenas uma cota de consórcio quando, na verdade, estavam adquirindo mais de uma.

Também foram constatados vícios nos procedimentos de pós-venda, já que os clientes eram previamente orientados sobre como responder às perguntas que seriam feitas pelos próprios funcionários da empresa em ligações telefônicas, que eram gravadas e posteriormente serviriam de prova contra os próprios consumidores.

Sem responsabilidade

A ação foi proposta pelo MPF de Marília.

A cooperativa alegou, em sua defesa, que não poderia ser responsabilizada pelas práticas comerciais abusivas, pois teriam sido feitas por representantes comerciais.

No entanto, o MPF demonstrou no processo que a suposta “representante comercial”, que utilizava o nome Marcon Comercialização de Cotas de Consórcio, não passava de uma empresa constituída apenas com o propósito da ré, que pretendia continuar comercializando suas cotas de consórcio com as mesmas práticas abusivas, já que por trás dela estavam ex-empregados que tinham sido supostamente “demitidos” pouco tempo antes. Um deles, inclusive, era integrante do corpo diretivo da cooperativa.

Assim, embora tivesse aparentemente fechado sua filial na cidade de Marília, a Cooperativa Jockey Club de São Paulo manteve o funcionamento das suas atividades na região por meio da Marcon Consórcios, que estava sediada no mesmo endereço e possuía o mesmo número de telefone da antiga filial da cooperativa.

A sentença proíbe a cooperativa de comercializar, pelo prazo de cinco anos, cotas de consórcio no âmbito da Subseção Judiciária de Marília, que abrange outros 15 municípios, seja por si ou por meio de representantes comerciais – pessoas físicas ou jurídicas.

Em caso de descumprimento, será cobrada multa de R$ 20 mil para cada cota de consórcio vendida. Ainda de acordo com a decisão, a ré está obrigada a indenizar os danos sofridos pelos consumidores por ela lesados. Como foi deferida a tutela de urgência na sentença, a suspensão da comercialização deve cumprida imediatamente.

Desenvolvido por StrikeOn.
© 2015 - Visão Notícias. Todos os Direitos Reservados.