Facebook Twitter YouTube
A agilidade do jornalismo online.
Visão Notícias - Informações de Marília e região
Visão Notícias - Informações de Marília e região

Informações de Marília e região

- Marília/SP

Postado em 22/03/2019 às 11:35

Professores de Marília fazem protesto por mais segurança nas escolas

  • Professores e funcionários da escola Amélia Lopes durante manifestação no bairro.

Manifestação nesta sexta ocorre em praticamente todo o Estado. PM confirma aumento da violência na escola Benito Martinelli: 13 ocorrências em apenas seis meses, envolvendo alunos, inclusive droga.

Professores e funcionários das escolas públicas estaduais interromperam as atividades nesta sexta-feira para fazer um protesto em praticamente todo o Estado por mais segurança, melhores condições de trabalho, além de reajuste salarial e contra a reforma na Previdência. Em Marília, eles se reúnem na praça em frente ao Shopping Apenas, na rua 9 de Julho.

Mas, antes da concentração no centro, os servidores também fizeram atos isolados, próximo às escolas, para chamar a atenção da população.

Foi o que aconteceu com representantes da escola Amélia Lopes Anders, no bairro Santa Antonieta (zona norte de Marília). Eles se concentraram na avenida João Martins Coelho e mostraram cartazes.

Eles disseram que a violência não atingiu o mesmo grau de outras escolas da cidade (como é o caso do Benito Martinelli, também no mesmo bairro), mas existe uma grande preocupação.

Por isso, cobram medidas da Secretaria Estadual da Educação e Polícia Militar.

NOVAS DENÚNCIAS - Um professor da escola Benito Martinelli, que pediu para não ter o nome divulgado, enviou mensagens ao Visão Notícias relatando o que ficou decidido após as reuniões de ontem na Diretoria de Ensino e no Ministério Público.

Segundo ele, "na reunião na Diretoria de Ensino foi conversado sobre o problema e estava presente um representante da PM (um tenente), ficou decidido que a polícia iria tentar dar uma atenção maior a Escola Benito Martinelli e que sexta-feira haverá uma reunião com o Capitão Mendonça. Com o Promotor ficou agendada uma reunião para o dia 05/04, ou seja ficamos na mesma".

Escola Benito Martinelli: relatório da PM confirma aumento nos casos de violência, denunciados pelos professores.

E acrescentou que "a Dirigente solicitou ofício da Direção da Escola relando os fatos, mas há quatro anos temos enviado Ofícios a PM desde o Capitão Marrone, nada adiantou. Fizemos três reuniões com o Ministério Público, desde o Promotor Rafael Salzedas, poucas medidas acordadas foram cumpridas. Infelizmente a escola tem se tornado em um ponto seguro para o consumo e o tráfico de drogas no bairro sem medidas efetivas do poder público. Muitos pais estão tirando os filhos da escola com medo".

RESPOSTAS

No caso da escola estadual Benito Martinelli, onde professores suspenderam as atividades ontem para cobrar providências da Diretoria de Ensino visando mais segurança (houve também pedido de audiência no Ministério Público), a Secretaria Estadual da Educação emitiu uma nota curta, onde relatou o que teria ocorrido e eventuais medidas que serão adotadas:

"A Diretoria Regional de Ensino de Marília informa que alguns alunos da Escola Estadual Professor Benito Martinelli tentaram se ausentar da aula e, ao serem advertidos, tentaram furar o pneu do carro de um dos professores. A equipe gestora da unidade acionou os responsáveis pelos estudantes e a Ronda Escolar. O Conselho Tutelar também foi acionado. Cabe reiterar que a escola conta com a parceria do Ministério Público e da Universidade de Marília, além de outras entidades, para desenvolver ações de incentivo a cultura de paz no ambiente escolar", diz a nota.

POLÍCIA MILITAR

O portal Visão Notícias também solicitou demanda à Polícia Militar questionando a segurança no Benito Martinelli.

A Seção de Comunicação Social divulgou nota informando que a escola "é atendida pelos Programas de Ronda Escolar e PROERD, composta por dois policiais militares, bem como as demais Escolas Estaduais do município".

Também divulgou um balanço das ocorrências registradas naquela unidade de ensino. Foram 13 casos em apenas seis meses, incluisive desacatos, danos, brigas e até porte de drogas envolvendo alunos.

"Nos últimos seis meses foram registradas as seguintes ocorrências solicitadas pela direção da Escola: 02 Desacatos, 01 Dano em viatura, 02 Danos no interior da escola, 03 Agressões, 03 Furtos, 01 Ameaça, e 01 Porte de Drogas", diz a nota.

Acrescenta ainda que "em razão do aumento da demanda de ocorrências na citada escola, a Polícia Militar e a Unidade de Ensino tomaram iniciativa de se reunirem com outros órgãos públicos, em 07DEZ18, para alinhamento de ações voltadas à prevenção de condutas irregulares no ambiente escolar".

© Copyright 2017. É proibida a reprodução do conteúdo dessa página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso sem autorização escrita do visaonoticias.com
Desenvolvido por StrikeOn