Facebook Twitter YouTube
A agilidade do jornalismo online.
Visão Notícias - Informações de Marília e região
Visão Notícias - Informações de Marília e região

Informações de Marília e região

- Marília/SP

Postado em 12/02/2019 às 10:00

Alzheimer: O músico que faz serenata todos os dias para esposa diagnosticada com a doença

Todas as tardes, o músico Lúcio Yanel, de 72 anos, entoa serenatas para a esposa. Entre uma canção e outra, o artista busca tranquilizar o olhar perdido e acalentar o choro de Sueli de Fátima Teixeira, que atualmente enfrenta a fase mais grave da doença de Alzheimer.

O violonista, que é uma das principais referências da música gaúcha, encontrou nas apresentações uma forma de se aproximar da mulher, que, segundo o artista, tem vivido em um mundo distante.

Casado há 25 anos com Sueli, ele conta que tem enfrentado períodos difíceis. A esposa do artista não consegue mais andar, falar ou se alimentar sozinha. "Ela precisa de ajuda para tudo e passa o dia inteiro na cama", conta ele.

Ele postou uma foto na qual se apresentava com seu violão para a companheira. Junto com a imagem, fez um desabafo. "Já faz alguns anos que o maldito Alzheimer vai me roubando a minha amada companheira. E para que me sinta ao seu lado, minhas serenatas diárias. Tu és o meu melhor público", escreveu.

A repercussão surpreendeu Lúcio. "Publiquei meio que sem querer, não imaginei que tantas pessoas fossem ver. Estou acompanhando minha esposa sofrer com o Alzheimer e cansei de fingir alegria", lamenta.

O Alzheimer é considerado o tipo mais comum de demência que existe no mundo. Conforme estudos sobre o tema, estima-se que 5% da população acima dos 65 anos possa desenvolver a doença. Após os 80 anos, a estimativa sobe para 30%.

Imagem mostra o músico Lúcio Yanel e a mulher, Sueli, que tem Alzheimer. Na foto, eles aparecem em 1996

Lúcio nasceu na Argentina e vive no Brasil há 40 anos. Ele conheceu a esposa no início dos anos 90. O artista conta que havia ficado viúvo há um ano quando se apresentou em uma casa de shows em Porto Alegre (RS). Sueli era chef de cozinha do estabelecimento. O músico relata que se encantou com a esposa desde a primeira vez em que a viu.

Lúcio tinha cinco filhos e Sueli tinha três. Um ano após se conhecerem, nasceu o caçula e único filho deles juntos. Na época, eles se mudaram para Caxias do Sul (RS), onde vivem até hoje.

Antes do Alzheimer, o músico diz que a forma que Sueli encontrava para agradar a família era por meio das comidas. "Ela sempre fazia as receitas que aprendia. Era uma ótima chef de cozinha", diz o artista.

Sintomas de Alzheimer: Foram justamente as comidas que indicaram os primeiros sinais do Alzheimer de Sueli. "A minha mãe começou a esquecer receitas. No início, parecia que era algo comum, mas depois foi se intensificando". explica Pedro Giles, de 24 anos, filho caçula do casal.

Em 2008, após diversos exames, um neurologista apontou o diagnóstico de Sueli: Alzheimer. A doença se manifestou de modo precoce na mulher, que na época tinha 52 anos. 

Desde o início do Alzheimer, Lúcio e Pedro estiveram ao lado de Sueli. "Eu costumo dizer que não vivi o que outras pessoas da minha idade viveram, porque quase sempre não podia sair, para ajudar a cuidar da minha mãe. Mas não me arrependo de nada disso", conta o caçula.

Imagem mostra Pedro Giles, de 24 anos, a mãe, Sueli, e o pai, o músico Lúcio Yanel sentados em poltronas de avião. Sueli tem Alzheimer e o marido faz serenatas para ela todos os dias

Lúcio deixou parte da carreira como músico para se dedicar à mulher e continua fazendo apresentações pelo Brasil, mas em menor quantidade. "Preciso cuidar dela, então não posso deixá-la sozinha", explica o artista. Quando o pai tem que viajar, Pedro pede licença no serviço ou na universidade, para cuidar da mãe integralmente. Eles também contam com uma cuidadora, que os auxilia no período da tarde.

Apesar do Alzheimer, Lúcio prefere acreditar que a esposa se recorda deles, mesmo que não tenha manifestado isso nos últimos anos. "Tenho pra mim que ela me reconhece, porque eu peço um beijo, me aproximo e ela me beija. Ela também beija nosso filho na bochecha", diz o músico.

Imagem mostra o músico Lúcio Yanel e a mulher, Sueli, que tem Alzheimer, em 1994

Com o sucesso da publicação, Lúcio espera conseguir respostas que possam auxiliá-lo a melhorar a qualidade de vida da esposa.

"Tudo aponta que essa doença não tem cura. Não posso esperar muita coisa. Espero que a medicina avance e encontre respostas no futuro. Hoje, quero ajudá-la a não sofrer tanto. Mas não quero nenhum medicamento que a deixe 'grogue' e, praticamente, morta, porque não quero vê-la assim. Mesmo com todas as dificuldades, eu jamais vou pensar que quero que Deus a leve. Por mais difícil que seja, quero que ele deixe a minha esposa aqui, porque eu me encarrego de cuidar dela." , diz.

© Copyright 2017. É proibida a reprodução do conteúdo dessa página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso sem autorização escrita do visaonoticias.com
Desenvolvido por StrikeOn