Facebook Twitter YouTube
A agilidade do jornalismo online.
Visão Notícias - Informações de Marília e região
Visão Notícias - Informações de Marília e região

Informações de Marília e região

- Marília/SP

Postado em 08/11/2018 às 20:00

"Kit Dodói" ajuda criança com câncer a entender e enfrentar a doença

Eles têm de 5 a 10 anos, mas já ficam concentrados enquanto preparam uma injeção ou fazem um curativo em seus bonecos. Sabem o que é auscultar o coração, acesso intravenoso e punção. Eles enfrentam tipos severos de câncer no sangue no hospital estadual Darcy Vargas, na zona oeste de São Paulo, mas têm à disposição um poderoso "kit dodói", que os ajuda a entender seus caminhos futuros, suas dores e seus medos de hospital.

O recurso lúdico, didático e de entretenimento, que se utiliza de personagens criados pelo desenhista Mauricio de Sousa, 83, já está disponível em 40 unidades oncológicas infantis do país e já foi distribuído a 5.000 crianças pela Abrale (Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia), que agora se prepara para expandir o projeto para mais 3.000 pequenos com câncer.

Uma das principais finalidades do kit -que conta com mochila, boneco estilizado da Mônica ou do Cebolinha, vários brinquedos que simulam materiais médicos, jogos, cartilhas e até um "medidor do nível de dor"- é preparar a criança a respeito das fases do tratamento que irá fazer e passar a ela confiança de que irá vencer.

A entrega do kit, que é gratuito, acontece geralmente nos primeiros dias de internação da criança. A única contrapartida pedida aos pais é uma avaliação posterior do material, que vai balizar novas ações da associação.

Para que a criança tire o melhor proveito dos kits, a associação já capacitou 198 profissionais entre enfermeiros, psicólogos e voluntários nos hospitais. Para 2019, a Abrale estuda distribuir como teste alguns kits para que pais com câncer consigam explicar melhor a situação que vivem para seus filhos pequenos.

 

"O médico não resolve tudo. A palavra do paciente e suas atitudes são muito importantes. Quando a criança entra em contato com nossos materiais, ela fica mais participativa no tratamento, faz perguntas, pede por opções, faz escolhas mais conscientes", declara Merula.conta Merula Steagall, 52, presidente da Abrale e empreendedora social.

© Copyright 2017. É proibida a reprodução do conteúdo dessa página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso sem autorização escrita do visaonoticias.com
Desenvolvido por StrikeOn