Facebook Twitter YouTube
A agilidade do jornalismo online.
Visão Notícias - Informações de Marília e região
Visão Notícias - Informações de Marília e região
- Marília/SP

Postado em 12/09/2017 às 12:00

Marilienses contam o que enfrentaram após passagem do furacão Irma. Problemas continuam

  • Marilienses relatam os problemas após a passagem do furacão Irma

Depois de um fim de semana de muita preocupação, devido a passagem do furacão Irma (considerado o maior do Atlântico), famílias marilienses que moram nos Estados Unidos enviaram mensagens pelas sociais ao Visão Notícias informando que estão bem. Mas, os transtornos continuam, devido principalmente ao abastecimento de alimentos, combustíveis e principalmente no fornecimento de energia elétrica.

Estragos causados pelo furacão.

O Irma, que agora se tornou uma tempestade tropical, é o mais longo furacão de categoria 5 alguma vez registado no mundo, mantendo-se durante três dias consecutivos na categoria mais alta da escala Saffir-Simpson.

O Irma trouxe rajadas de vento de 298 Km/hora durante 37 horas consecutivas, quebrando também o recorde de intensidade desde que são estudadas tempestades. Em alguns locais, foram registadas rajadas de vento superiores a 360 quilómetros por hora.

MARILIENSES NO FURACÃO

O portal Visão Notícias conversou com dois marilienses que vivem em regiões dos EUA que foram atingidas pelo furacão. O maior problema ocorreu em Miami, onde destruíram construções, derrubaram postes e forçaram a paralisação de atividades essenciais. Os prejuízos podem chegar a 100 bilhões de dólares.

Raquel ao lado dos irmãos Ariane e Nelsinho; e dos pais Kelma e Nelson Jr.

O empresário Pedrinho Pavão (filho do presidente do Sindicato do Comércio Varejista, Pedro Pavão) mora em Miami, na Flórida, há mais de 10 anos com a esposa e três filhos (dois deles nascidos em solo norte-americano), onde possui uma fábrica de sorvetes.

Ele disse hoje (12) que quando o furacão atingiu a região todos ficaram em casa. Agora, quando o pior já passou, problemas continuam, como supermercados fechados e dificuldades para conseguir gasolina (indispensável para o uso de geradores).

A estudante Raquel, que mora em Orlando com os irmãos e os pais há quase três meses, relatou que a noite passada foi de preocupação por causa dos ventos fortes e da chuva.

Mas, no local onde mora não ocorreram estragos. Teve relatos de amigos brasileiros de outras áreas que presenciaram muita destruição (inclusive um vídeo mostrando isso).

A maior preocupação é com a falta de energia (atinge 40% do Estado) e deve ficar sem aulas pelo menos até amanhã, já que as escolas foram mobilizadas e transformadas em abrigos.

Acompanhem a videorreportagem:

© Copyright 2017. É proibida a reprodução do conteúdo dessa página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso sem autorização escrita do visaonoticias.com
Desenvolvido por StrikeOn