Visão Notícias
A agilidade do jornalismo on-line
What’s App (14) 9 9700-2463 / 9 9760-0969
Div
Marilia/SP
Você Reporter FacebookInstagramTwitter
Univem

Postado em 03/01/2017 às 10:52

Diminuir
Aumentar
Imprimir

Refinanciamento: um empréstimo com juros baixos

É a forma mais barata de pagar outras dívidas com juros mais altos. Veja como funciona.

O ano já começou e para muita gente a preocupação é com o pagamento de dívidas e compromissos dessa época, como IPVA e escola dos filhos. Para quem é dono de um imóvel ou de um veículo, a forma mais barata de tomar um empréstimo para pagar outras dívidas com juros mais altos, é o chamado "refinanciamento" - também conhecido por hipoteca reversa, pessoal com garantia de um bem - é uma modalidade de crédito pessoal nova no Brasil e muito pouco divulgada pelos bancos.

Ainda que desconhecida, essa modalidade de crédito é muito interessante para o cliente, que pode ter acesso a empréstimos com juros a partir de 1,05% ao mês + correção pelo IGP-M no refinanciamento do imóvel e de 1,90% + correção pelo IGP-M no refinanciamento do veículo. As taxas são bem mais atraentes do que as das modalidades de crédito mais populares entre os brasileiros.

FINANCIAMENTO DE IMÓVEIS

Diversos bancos oferecem o refinanciamento, mas geralmente apenas aos clientes de alta renda ou então para tentar "salvar" outro empréstimo com altíssimo risco de inadimplência concedido pela própria instituição. O refinanciamento de imóvel é o que possibilita ao cliente bancário levantar o maior volume de recursos. Os bancos costumam liberar até 50% do valor do imóvel. Isso quer dizer que alguém que tenha uma casa avaliada em R$ 400 mil vai conseguir a liberação de até R$ 200 mil dando o imóvel em garantia do empréstimo.

É importante lembrar que nem sempre esse cliente vai conseguir os R$ 200 mil porque há outro fator que limita o teto do refinanciamento: o comprometimento da renda. Os bancos vão liberar um crédito com parcelas de pagamento mensais que correspondam a no máximo 30% da renda bruta do tomador - mas esse percentual cai caso ele tenha também outras dívidas contratadas que não sejam quitadas com essa operação.

Nesse limite, no entanto, pode ser possível compor renda com familiares. Então imagine que alguém ganha R$ 10 mil por mês e tem uma esposa que ganha outros R$ 10 mil. Se essas duas pessoas comprarem um imóvel juntos e não têm outras dívidas, o limite de comprometimento da renda com as prestações do empréstimo será igual a 30% de R$ 20 mil - ou seja, as prestações mensais do financiamento poderão ser de até R$ 6 mil. Caso esse mesmo casal tenha outra dívida com prestação mensal de R$ 1 mil, aí o limite da parcela do refinanciamento cai para R$ 5 mil.

Os juros cobrados nesse tipo de empréstimo serão a partir de 1,05% ao mês + correção pelo IGP-M. Os prazos de pagamento costumam variar entre 1 e 30 anos - empréstimos mais longos podem ter uma parcela mensal de pagamento mais baixa, mas com pagamento de juros por muito mais tempo. Fonte: Infomoney

Esquadro
Unimar Vestibular
Notícias / Veja Também
Ressort Aguas das Araras
Desomax
Preço Certo
Cooperativa SUL BRASIL
Vera Bolos
Life
© Copyright 2015. É proibida a reprodução do conteúdo dessa página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso sem autorização escrita do visaonoticias.com Home   /   Quem Somos   /   Parceiros   /   Anuncie Aqui   /   Fale Conosco
Desenvolvido por StrikeOn